dom. jun 16th, 2019

MP do Rio cometeu falhas ao abrir sigilo bancário de Flávio Bolsonaro

Pessoas que não tiveram ligação com o Senador do PSL e nem conhecem Fabrício Queiroz estão incluídas na lista.

As últimas ações autorizadas pela Justiça na investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro contra o senador Flávio Bolsonaro tiveram efeitos colaterais. A quebra de sigilo bancário atingiu pessoas que nem sequer foram nomeadas pelo parlamentar e não tiveram nenhuma transação financeira com o ex-assessor dele Fabrício Queiroz, segundo informa o Portal Renova Mídia.

O MP também atribui erradamente ao gabinete do agora Senador, quando ainda era Deputado Estadual no Rio de Janeiro, uma servidora da Assembleia que na verdade acumulou outro emprego. A investigação também apresentou erros ao atribuir suspeitas contra Queiroz, ex-PM, espécie de chefe de gabinete de Flávio e pivô da atual investigação.

Conforme observamos ainda ontem (19), o Presidente Jair Bolsonaro fez uma declaração quando estava nos Estados Unidos mostrando que tanto MP-RJ, como Grupo Globo, montaram uma narrativa com a intenção única de atacá-lo.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: