qua. ago 21st, 2019

Coletivo negro interrompe sessão solene em homenagem à Princesa Isabel, que promulgou a lei áurea

Pelegos ideológicos de esquerda, movimento negro paralisa sessão solene que rememora libertação dos escravos, ocorrida há 131 anos, com gritos de resistência e a favor de Marielle Franco.

Em sessão organizada pelos Deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Luiz Phillipe de Orleans e Bragança (PSL-SP) nesta Terça-feira (14) para homenagear a Princesa Isabel, que assinou a Lei Áurea, libertando os escravos há 131 anos atrás, coletivo negro invade o plenário para tumultuar.

Aos gritos de “resistência”, “parem de nos matar”, bandeiras do Brasil nas cores rosa e verde, além de faixas com o rosto da vereadora Marielle Franco, sessão foi interrompida. A Deputada Federal Talíria Perone (PSOL/RJ) publicou em sua conta no Twitter um trecho, no momento da invasão.

O movimento negro considera a abolição ocorrida há 131 anos atrás uma farsa. Apesar de ter custado à Princesa Isabel e a Dom Pedro II o trono, uma vez que a assinatura da Lei Áurea enfrentava resistência de poderosos dentro do país -que os sabotaram os monarcas após a promulgação-, o PSOL acha que Marielle Franco fez mais contribuições pelos negros brasileiros.

Isso mostra a seriedade dessa gente e seu compromisso com a verdade, com a história e com as pessoas que dizem representar. Veja mais sobre o significado da ação tomada há 131 anos no excelente artigo do Professor Paulo Cruz publicado hoje (14) em Gazeta do Povo.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: