qua. ago 21st, 2019

General Santos Cruz age para impedir afastamento de petistas da SECOM

O que o General tem feito é afastar os conservadores da agência, suspender o processo de ‘despetização’ -ou seja, afastar pelegos e aparelhados do PT dentro da pasta- e as revisões de contratos que vinham sendo empreendidas, por determinação do Presidente Bolsonaro.

O Portal de Notícias Crítica Nacional fez uma excelente análise das últimas ações do Ministro da Secretaria Geral do Governo, General Carlos Alberto Santos Cruz, e levantou dados que mostram uma atuação que transcende a esfera de seu ministério, promovendo uma ingerência indevida em outros órgãos do governo.

Vamos aos pontos:

  • Santos Cruz demorou quase cinco meses para liberar a propaganda da previdência, defendeu regulação de mídias sociais em recente declaração e está em constantes conflitos com Fabio Wajngarten, da SECOM;
  • Ele interveio diretamente na exoneração dos diretores da Apex, Letícia Catelani e Marcio Coimbra. Uma ação completamente fora de sua alçada;
  • No lugar ele pôs um preposto seu, almirante Sergio Ricardo Segovia, para esta finalidade: afastar os conservadores da agência, suspender o processo de despetização e de revisão de contratos que vinha sendo empreendido, conforme determinação do Presidente Bolsonaro;
  • Desrespeitou a hierarquia de cargos e funções de governo, porque ao exercer pressão e dar ordens e determinações a funcionários não subordinados a ele uma vez que a Apex não é subordinada à pasta comandada por ele;
  • Desrespeita e desobedece determinações do Presidente Bolsonaro, como mostrado acima.

Abaixo, um trecho da excelente matéria publicada no Portal Crítica Nacional:

O Crítica Nacional procurou investigar mais à fundo a atuação do Ministro Santos Cruz e sua relação com outros ministérios e autarquias. Durante essa investigação, tivemos acesso a documentos que contêm indícios de práticas de atos possivelmente configuradores de irregularidade e de improbidade administrativa. […] Segundo apuramos, esses mesmos documentos a que tivemos acesso e que sugerem indícios de atos de possível improbidade administrativa, encontram-se também em mãos de integrantes da alta cúpula do governo [… Ministro Santos Cruz aparece exercendo pressão sobre funcionários que não estão hierarquicamente subordinados a ele, onde ele ordena unilateralmente que esses funcionários assinem contratos conforme suas determinações, com o agravante que esses contratos possivelmente beneficiarão terceiros fora do governo […] Até o momento o Crítica Nacional defendia que o ministro fosse disciplinado pelo Presidente da República, e permanecesse no cargo alinhado com as diretrizes do governo. No entanto, entendemos agora que os indícios presentes nos documentos a que tivemos acesso são robustos o bastante para merecer a abertura de uma investigação“.

Esta notícia saiu primeiro em: Portal Crítica Nacional.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: