qua. dez 19th, 2018

A Intolerância do esquerdista tolerante

Por André Guedes

Nos últimos anos temos vivenciado assombrosos governos de esquerda. Desde que me lembro, quando pequeno, já ouvia dos meus pais, amigos, e também na TV, sobre os movimentos sociais absolutistas, que mais tarde chegariam ao poder, com seu discurso que tudo seria lindo, belo e próspero.

Construído o império esquerdista no Brasil, e com a proliferação dos ideais marxistas, socialistas, e das minorias, a  palavra tolerância está nos “trending topics” dentre as mais usadas pela esquerda brasileira. Hoje a resposta para quem tenha pensamento contrário ao dessas pessoas já é robotizada e estúpida, e escutar palavras como: “racista, homofóbico, machista e fascista”, é comum.

Para ser parte dos intolerantes da “toleração” você deve ser exclusivamente: gay, negro, pobre periférico, e vítima de alguma coisa. Ter apenas um desses pilares de formação te conduz à liberdade de pensamento exclusivista. Felizmente ainda há pessoas que se encaixam nesses perfis, mas que procuram uma via inversa à da vitimização.

Em 2016, um aluno da Universidade Federal do Ceará (UFC), foi brutalmente humilhado, apenas por estar trajando uma camiseta com a foto e o nome do então Deputado Federal Jair Bolsonaro. O Aluno, que não havia provocado ninguém, até cusparadas no rosto recebeu. Tudo isso porque, segundo os seus agressores, o fato dele estar usando a camiseta com a foto do presidenciável era um ato considerado como uma provocação a eles (?). Alguns poucos colegas que tentaram de alguma forma defender o aluno, também foram alvos de manifestações de ódio similares. Alguns dos intolerantes, se referiram ao aluno como uma pessoa “rica”, e, quando questionados, disseram que ele seria rico “porque tem cara de rico”, veja aqui.

Claro, isso é só um exemplo, que aliás, é cada vez mais constante, do que passamos a viver com mais veemência desde o impeachment da ex-presidente Dilma Roussef. Os tais tolerantes agora invadem as redes sociais, se auto-intitulam os únicos cultos e desaprovam veementemente aqueles que de alguma forma têm opiniões contrárias. Hoje, apoiar um candidato à presidência, que em nenhum momento provou ser racista, homofóbico e machista, te faz (segundo eles) um analfabeto político.

Os movimentos feminista e LGBT detêm hoje (segundo eles próprios, é claro!) a verdade absoluta. Acusam e perseguem mulheres e homossexuais contrários às atitudes desses movimentos autoritários de todas as formas possíveis. Esses são grupos aparelhados politicamente e parte da extrema esquerda, que banalizam e distorcem a realidade para seus propósitos políticos de momento.

Nos Estados Unidos, durante a campanha de Donald Trump, Milo Yiannopoulos, um homossexual assumido que defendia a candidatura do hoje presidente, foi proibido de proferir uma palestra pelo simples fato de apoiar Trump. Os movimentos LGBT e a grande mídia sequer trataram do assunto, não fazendo nem mesmo menção ou nota de repúdio à conduta daqueles que protestaram de maneira antidemocrática. Veja aqui.

Porém, não precisamos ir longe para observarmos a intolerância dos esquerdistas. Durante uma entrevista, o candidato à presidência do Brasil Ciro Gomes, chamou o Vereador Fernando Holiday de “Capitãozinho do Mato”, se referindo assim, é claro, por conta da cor de sua pele (Veja aqui). Você acha que a esquerda, defensora das minorias, se pronunciou sobre o caso? Claro que não!

Em uma conversa grampeada entre Lula e Dilma, o ex-presidente chamou as mulheres homossexuais de seu partido de mulheres de grelo duro. Nenhuma retaliação ao atual presidiário veio à tona por parte desses grupos. Porém, quando um candidato se mostra indignado com a cartilha gay que querem impor às nossas crianças, ele é tachado de homofóbico por essas mesmas pessoas que ora se calaram.

Estudantes, que dizem fazer jus ao nome, invadem escolas e universidades a favor de uma minoria, claro!, prejudicando outros milhares alunos que buscam verdadeiramente o conhecimento. No atual cenário das militâncias, os que não aderem acabam tornando-se vilões, são execrados por boa parte daqueles militantes, muitos dos quais aderem à causa sem nem mesmo entenderem o porquê desses movimentos, quais manipulações políticas há por detrás. Esses pseudo-estudantes acabam exercendo assim o fascismo que eles tanto dizem combater.

Esses grupelhos também tentam ironizar e destruir a soberania de Deus, desmerecem católicos e evangélicos dizendo que Jesus foi um Travesti, invadindo igrejas, em meio a tentativas de legalizar o aborto, e tentando acabar com a concepção de família tradicional. São capazes de tudo para desrespeitar o cristianismo, religião predominante no Brasil. Dizendo defender as liberdades religiosas, tratam da forma mais deplorável o evangelho.

Buscam, apoiados em uma imprensa corrupta e em conluio com boa parte das instituições públicas, causar para a sociedade a desordem e desconstrução dos valores que por centenas de anos nossos antepassados custaram a construir e nos legar. O que fica claro é que os tais “tolerantes” só o são quando se tem o mesmo viés ideológico e irracional deles. Se você pensar diferente, cuidado, se prepare para ser tachado de tudo aquilo que já citamos antes.

Eles não querem que você pense, querem impor suas ideias, fazer você engolir a seco essa ditadura do pensamento, te tornar massa de manobra e mais um vitimista numa sociedade destruída por eles. Não caia nessa, seja liberto, conheça a verdade e rebata toda essa imbecilidade universitária.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: